17.4.09

José Franco, 1920 - 2009




Faleceu na madrugada de 14 de Abril, um dos artistas populares portugueses (e por ser popular, mal conhecido) que mais me marcou, em conjunto com Júlia e Rosa Ramalho. Quem conhece a estrada que liga a Ericeira a Mafra, lembra-se de passar pelo Sobreiro, do cheirinho a pão com chouriço, da música de arraial e, principalmente, das obras do oleiro José Franco, um homem de poucas palavras, mas que inspirava admiração em todos. Lembro-me de ser pequenina e posar junto aos moinhos, impaciente para entrar na "aldeia em miniatura", e de espreitar sempre para o canto onde ele trabalhava, indiferente aos barulhentos visitantes.
Jorge Amado chamava-lhe "queridinho", e assinou a mensagem da escultura que lhe dedicaram na aldeia típica do Sobreiro:
José Franco, artista do barro e da vida...
...um grande homem do povo...
...um português que nasceu com o dom misterioso da beleza e a distribui como um bem de todos...
(Jorge Amado)

As palavras são poucas para agradecer aquilo que me fez sonhar e o quanto contribuiu para uma infância mais cor-de-rosa nas minhas férias de Verão.
A última vez que lá estive já era mãe de uma recém-nascida, e espero que a "aldeia do José Franco" se mantenha até a minha filha ter idade para a apreciar tal como eu apreciei, quando ia de férias para sul.
.
em simultâneo aqui

2 comentários:

Dylan disse...

Em 1º lugar, obrigado pelo convite J.
Infelizmente, muita gente nunca ouviu falar do "mestre do barro".

Dediquei-lhe um post:
http://dylans.blogs.sapo.pt/13208.html#comentarios

Este artigo foi uma homenagem que pretendi fazer e foi publicado em diversos jornais e revistas.

Abraço.
E. C.

debbie harry disse...

Obrigada por nada :), é um prazer depois de tanto tempo ter vontade de convidar uma pessoa nova a entrar aqui. Entretanto já tinha lido o teu post sobre ele.
Cumprimentos,
Joana