21.7.08

Das criancices dos crescidos

Ri-me muito com coisas que li no blog da Revista Ler. Normalmente, em questões de literatura, apercebo-me melhor da pequenez das pessoas do que quando leio revistas cor-de-rosa. Porque pelo menos nas revistas cor-de-rosa já sabemos com o que contamos. Comprei a Revista Ler, que aconselho vivamente e se vende na FNAC (empresa sempre preocupada com a cultura, cof cof). No meio dos intelectuais há sempre o fenómeno da pessoa que se agarra a conceitos e não os larga nem para dormir. Não vá mudar de ideias e quem sabe, crescer...intelectualmente. Pois as coisas que sempre me dão para rir são as que leio sobre o José Saramago (o único génio vivo da literatura de língua portuguesa) e as supostas picardias com Lobo Antunes e o facto de não merecer ser português não-sei-quê-porque-até-foi-para-Espanha. Lobo Antunes, cujos livros muito me emocionam mas cuja atitude é aquilo a que eu, uma jovem moçoila que nada sabe da vida, chamo (porque ouvi em algum lado) de excesso de atitude, fala demais sobre coisas que, pelos vistos, leu de menos. Não gosta e não lê Saramago. Saramago diz não entender a rivalidade e desconhecer ser possível ter-se um rival só porque os dois escrevem, ainda por cima, digo eu, em universos tão diferentes. Lá no blogue li também comentários do género "mas ele está a viver em Espanha não merece reconhecimento em Portugal". Só quem não leu livros do senhor nobel. Viagem a Portugal? Memorial do Convento? História de Portugal lá chapada, romanceada, guia extensivo de um país que pouca gente conhece assim tão bem... Uma coisa é certa, se Saramago tivesse emigrado para Paris, era bem melhor visto. Depois mais à frente um dizia que o Al Berto é que merecia o nobel. Eh pá, mas desde quando se confunde qualidade com dimensão?
"Eu nunca vi o Lobo Antunes como um rival. A minha opinião sobre essas questões de quem é melhor ou de quem não é tão bom é muito clara. Em literatura, ninguém tira o lugar a ninguém. Para quem nunca leu um romance meu, Lobo Antunes desdobrou-se em opiniões a meu respeito, como escritor. Tem todo o direito a não ter lido e a continuar a não ler, até ao fim da vida, uma só linha minha. Mas, em princípio, isso retira-lhe o direito de julgar."
(José Saramago sobre Lobo Antunes)
Esta frase, se repararem, cai certeira em muitas situações da nossa vida. Oh, se cai.

1 comentário:

finestamp disse...

na edição anterior foi entrevistado o Lobo Antunes : )